quinta-feira, 4 de março de 2010

APRESENTAÇÃO

O blog O Encantador de Serpentes é formado por antigos poemas e pelos textos teóricos mais políticos, mais sociológicos de meu trabalho (em oposição aos textos esotéricos sobre xamanismo e espiritualidade – publicados no blog O Hermeneuta) escritos em função do Projeto de Pesquisa Comunicação Política (desenvolvido na UFRN em 2006-2007) e é composta por ensaios bastante desiguais, mas que formam um conjunto.

O ensaio O Encantador de Serpentes – Ciência, Arte e Política na Comunicação (1), que dá nome a este blog, trata de vários temas conexos da área de comunicação e é uma introdução geral aos estudantes de jornalismo e publicidade.

O texto A cultura como dupla mediação social e a tese das três mudanças estruturais na sociedade contemporânea (2) enumera diferentes noções de cultura para construir um quadro teórico de referencia para as teorias de comunicação do século passado.

Os textos Da Filosofia à Comunicação – breve história das Idéias Políticas e Teoria dos jogos a contrapelo (3) também são de contextualização histórica e teórica da vida atual. Porém, ao invés de pesquisar o aspecto cultural das mudanças estruturais, o primeiro texto traça uma breve história fenomenológica dos discursos políticos descritivos e prescritivos e das diferentes abordagens que estudam a atividade política. Já o texto sobre teoria dos jogos trata das contradições entre a teoria da escolha racional e o caráter simbólico do contexto cultural aplicado ao comportamento político e eleitoral. Esses três textos são ‘enciclopédicos’, levantando um grande número de referências de forma superficial para dar uma visão panorâmica dos assuntos sem pretender aprofunda-los. Eles sistematizam fichamentos para aulas expositivas no curso de comunicação da UFRN.

Porém, interessa-nos, mais do que a história das mudanças estruturais provocadas pela mídia na cultura brasileira ou na política em âmbito global, ou ainda a interseção dos aspectos racional e simbólico em nossas escolhas; observar os efeitos cotidianos da mídia em nossa história política mais recente.

Uma das linhas de investigação de nossa pesquisa é saber se sua eleição a quarta eleição do presidente Lula, 30 anos após a contracultura, acabou com nossa ningüéndade (4) (entendida não apenas como um complexo de inferioridade cultural diante do colonizador, mas também como essa malandragem antropofágica de falta de identidade). Lula deu uma cara ao país na qual ele se reconhece? O fato da imagem de Lula presidente representar culturalmente o brasileiro aumenta, inconscientemente, a auto-estima da população? Deixamos para trás nossa antiidentidade antropofágica ou apenas o sentimento de inferioridade cultural? Para responder a essas indagações apresentamos aqui dois artigos – um teórico, outro empírico – que resumem minha tese de doutorado Decifra-me ou te devorarei – A Imagem Pública de Lula no horário eleitoral nas campanhas presidenciais de 1989, 1994, 1998 e 2002 (UFRN, 2006).

Em Hermenêutica, Teoria Política e Imagem Pública (5) discutem-se a retórica do discurso político contemporâneo dentro da gramática imposta pela mídia, utilizando o método hermenêutico. Esboça se ainda uma metodologia voltada para a análise da Imagem Pública e do Discurso Mediado. Em seguida, A Imagem Pública de Lula nas quatro eleições presidenciais brasileiras (1989/2002) (6) coloca as noções construídas conceitualmente no campo da história e reflete sobre a influencia da mídia no processo eleitoral brasileiro.

E finalmente, nos textos A Arte do Conflito – Confrontação mediada pela Dialógica (7) e Será tudo mentira? – Aforismos para uma Genealogia da Teoria da Conspiração (8) desenvolvem-se, de forma mais literária e filosófica, uma reflexão teórica sobre dois aspectos centrais da comunicação política: o conflito e a representação.

Resta ainda agradecer a todos aqueles que contribuíram com mais essa oportunidade de apresentar minhas idéias. Não vou citá-los, para não parecer irônico (alguns acham que me prejudicaram) ou esquecer de alguém (que ache que realmente me ajudou). Ser grato verdadeiramente significa realizar a fotossíntese da alegria e devolver ao sol (e ao criador do universo) uma pequena parte do amor com que Ele nos dá a vida e a capacidade de conhecimento. E de reconhecimento verdadeiro.

NOTAS

(1) Publicado, pela Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, BOCC. <http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-bolshaw-encantador2.pdf >


(2) Publicado pela BOCC < http://bocc.ubi.pt/pag/bocc-bolshaw2-cultura.pdf >

(3) Publicado pela BOCC < http://bocc.ubi.pt/pag/bocc-bolshaw-marcelo-teoria.pdf >

(4) Darcy Ribeiro, no livro O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil (1995, p. 451) faz uma crítica avassaladora às noções de "Democracia racial" e de "Homem cordial" para explicar nossa ningüéndade. Para Darcy Ribeiro, o povo brasileiro é uma singular identidade cultural (a ningüéndade) resultante da miscigenação étnica entre índios, negros e brancos latinos. Esta identidade é singular em relação à dos povos colonizados, como os testemunhais (andinos e mexicanos) que guardam os traços distintivos de antigas civilizações pré-colombianos (na Bolívia, por exemplo, as elites se globalizaram e os cocaleiros foram excluídos socialmente), e entre os povos em que as características culturais dos colonizadores passaram a ser dominantes, como os argentinos e canadenses, por exemplo. Assim, miscigenação não nos torna iguais nem nos faz um mix de qualidade e defeitos étnicos. Ela é uma apenas identidade vazia. Por isso que somos "o país do futuro" e um eterno "gigante adormecido em berço esplêndido".

(5) Trabalho apresentado na Sessão Coordenada Representação Social e Imagem Política, do I Congresso Anual da Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação e Política, ocorrido na Universidade Federal da Bahia – Salvador-BA, 2006. <http://www.fafich.ufmg.br/compolitica/anais2006/Gomes_2006.pdf>

(6) Publicado pela BOCC < http://bocc.ubi.pt/pag/bocc-bolshaw-lula.pdf >

(7) Publicado pela BOCC < http://www.bocc.ubi.pt/pag/gomes-marcelo-arte-do-conflito.pdf >

(8) Publicado pela BOCC < http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-gomes-mentira.pdf >

POESIA

  1. SUSPENSE
  2. O RELÓGIO
  3. ESCRAVO E SENHOR DE SI
  4. ROCK AND ROLL
  5. CAPITALISMO SELVAGEM
  6. TARDE
  7. ACONTECENDO
  8. APRENDIZADO
  9. KITCH-NIETZSCHE
  10. ETERNA TIRANIA
  11. VOCÊ
  12. EROS & THANATHUS
  13. MENTIRAS SINCERAS
  14. O HERMENEUTA
  15. COMIDA
  16. ANIMAL PÓS-MODERNO
  17. O LOUCO
  18. OFERTÓRIO

COMUNICAÇÃO

  1. O Encantador de Serpentes
  2. Minha antiidentidade antropofágica
  3. A Arte como Discurso
  4. Quando mil gatos sonharem ...
  5. A Cultura como dupla mediação social
  6. Sandman: O Mestre dos Sonhos
  7. O Mito do Eterno Retorno

POLÍTICA

  1. Da filosofia à comunicação
  2. Teoria dos Jogos a contrapelo
  3. Fundamentos do Metateatro
  4. Hermenêutica, Teoria Política e Imagem Pública
  5. A Imagem Pública de Lula nas Eleições (1989/2002)
  6. A Arte do Conflito
  7. Será tudo mentira?

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

SUSPENSE


Com os ossos suados de pânico
Meu peito ardendo as orelhas e
Meus pés pedrados no chão ...

Salivo sua chegada com fogo nas unhas

E trinco meus dentes na boca.
E um gosto de pelo garganta.
E um gosto de medo verdeja.
E um gosto de gelo congela.